Home Care

Para maioria dos segmentos da indústria a importância do relacionamento com seus clientes é reconhecida há muito tempo. O enfoque básico da qualidade em serviço de saúde é a qualidade em todos os seus aspectos que deve ser efetuado por meio do controle de todas as atividades, ouvindo e prestando ao cliente o serviço que ele gostaria de receber, levando em conta outras dimensões, alem do aspecto técnico.
Definição de Home Care
Existem muitas definições para a palavra inglesa "Home Care", porem seu significado é prestação de serviço em domicílio. No caso específico da saúde as modalidades do "Home Care" podem incluir visitas domiciliares, atendimento domiciliar e internação domiciliar, cada qual com características específicas relacionadas às atividades realizadas no domicílio, à qualificação dos profissionais envolvidos, entre outros aspectos.
Segundo alguns autores o "Home Care" pode ser definido como qualquer tipo de cuidado individualizado à saúde ou a assistência prestada às pessoas doentes, diferentes ou com alguma dificuldade física em seu próprio domicílio.
Dentre alguns objetivos da pratica de assistência domiciliar, pode - se citar a humanização do cuidado, bem como a maior rotatividade e otimização de leitos hospitalares.
Legislação
<>•RDC nº 11 de26/11/2006
Resolução da Diretoria Colegiada nº 11 dispõe o regulamento Técnico de Funcionamento de serviços que prestam Atenção Domiciliar
COFEN – Resolução nº 1668/2003
Dispõe sobre normas técnicas necessárias à assistência domiciliar de paciente, definindo as responsabilidades e a interface multiprofissional neste tipo de assistência.
COFEN – Resolução – 270/2002
Aprova a regulamentação das empresas que prestam serviços de enfermagem no domicílio (Home Care).
COREN – Decisão DIR/006/1999 (idem COFEN)
Decisão DIR/008/1999 – “Normatiza a implantação da SAE – nas instituições de saúde, no âmbito do estado de São Paulo”
Decisão DIR/010/1999 – “Dispõe sobre a proibição de qualquer profissional de enfermagem promova e acompanhar qualquer estágio de alunos de cursos de “cuidador de idoso”.”
 Razões para o envolvimento profissional de saúde em Home Care
O Profissional pode contribuir para conservação de recursos em saúde quando escolhe esta modalidade de serviço oferecendo alternativas de tratamentos.
O profissional de enfermagem pode utilizar os benefícios psicológicos e sociais como nenhuma outra modalidade de serviços de saúde.
 O profissional de enfermagem deve ser capacitado a avaliar o paciente em parâmetros globais
Avaliação de nível funcional do paciente
Condições psicossocial do paciente
Avaliação do paciente e do cuidador informal quanto as suas capacidades de exercer as tarefas necessárias para cuidar.
Avaliação do meio ambiente onde o tratamento ocorrerá.
Nível de segurança tanto do paciente quanto dos cuidadores formais e informais.
Requisitos de funcionalidade e manutenção do ambiente de cuidados.
Recursos de transporte/remoção para o paciente.
Habilidade do paciente.
Apoio social, grupos de apoio e resgate espiritual e social.
 "Direitos dos pacientes em Home Care"
O paciente tem direito a um atendimento humanizado, atencioso e respeitoso por parte de todos os profissionais de saúde. Tem direito a um local digno e adequado para seu atendimento.
O paciente tem direito a ser identificado pelo nome e sobrenome.
O paciente tem direito a receber um profissional adequado, presente no local, receber auxilio imediato e oportuno para melhoria de seu conforto e bem estar.
O paciente tem direito a identificar o profissional por crachá preenchido com nome completo, função e cargo.
O paciente tem direito á consultas marcadas antecipadamente, de forma que  o tempo de espera não ultrapasse 30 dias para clínica médica e 7 dias para especialidades.
O paciente tem direito de exigir que todo o material utilizado seja rigorosamente esterilizado ou descartado e manipulado segundo normas de higiene e prevenção
O paciente tem direito de receber explicações claras sobre o exame a que vai ser submetido e para qual finalidade será coletado o material para exames
O paciente tem direito a informações claras, simples e compreensivas, adaptadas a sua condição cultural, sobre as ações diagnosticas e terapêuticas, o que pode decorrer delas a duração do tratamento, a localização de sua patologia, se existe necessidade de anestesia, qual o instrumental a ser utilizado e quais regiões do corpo serão afetadas pelo procedimento
 O que é um cuidador
Existem dois tipos de cuidadores: o formal e o informal
Formal: Provê cuidados de saúde ou serviços sociais para outros, em função de sua profissão e usa suas habilidades, a competência e a introspecção originadas em treinamentos específicos.
Informal: Leigo ou familiar provê de cuidados e assistência para outros, mas sem remuneração. È uma expressão de amor e carinho por um membro da família, amigo ou simplesmente por outro ser humano em necessidade.
 "Riscos de manter o paciente em Home Care”
No hospital, em situações de urgência, por motivos evidentes o paciente é atendido rapidamente
No Home Care este tipo de atendimento não é possível.
Portanto, deve estar claro que assistência domiciliar não foi criada para pacientes instáveis.
O risco de piora súbita do quadro clínico do paciente existe, existindo necessidade de atendimento de urgência, a empresa tem que dispor de ambulâncias UTI para realizar este atendimento.
Quando o paciente dispõe de auxilio / técnico de enfermagem na residência, este pode iniciar as primeiras medidas de socorro até a chegada da ambulância com o médico.
Portanto, a família deve estar ciente dos benefícios e das limitações do sistema e da assistência domiciliar antes de decidir a retirada do paciente do hospital.
 Equipe de enfermagem no Home Care
Auxiliar / técnico em enfermagem
<>·<>·<>·<>·<>·<>·
 Material de bolso
<>·<>·<>·<>·<>·<>·<>·<>· Materiais e medicamentos: Os materiais e medicamentos são sempre solicitados pelos técnicos em enfermagem
 Oxigenoterapia / Equipamentos
As solicitações de equipamentos só podem ser realizadas pelo médico visitador, a enfermeira visitadora e / ou fisioterapeuta responsável.
As solicitações de recarga de oxigênio devem ser realizadas pelo técnico em enfermagem e se o paciente não tiver no sistema de 24hs. De enfermagem as recargas podem ser solicitadas pelo cuidador.
As recargas devem ser programadas, pois as mesmas nunca podem ser cuidado de emergência, a não ser em caso de piora do quadro clínico respiratório do paciente.
Nunca deixe a calibragem de parâmetro com ponteiro chegar a SOBAR, ou seja, no vermelho.
As solicitações de troca de equipamentos com defeito devem ser feitos pelos técnicos em enfermagem.
 Visitas Profissionais
A enfermeira visitadora irá comunicar quem são os profissionais que estarão visitando o paciente.
Se a visita estipulada quinzenalmente o profissional terá 15 dias para realizar a visita a partir do momento da inclusão do paciente.
Cada profissional deverá combinar com a família a data da visita.
 Objetivos da hospitalização domiciliar
<>·<>·
<>· entre o hospital e a assistência ambulatorial;
<>·
 Assistência Domiciliar
Consiste em:
<>·<>·<>·<>·<>·<>·<>·<>·Já as atribuições da assistência domiciliar profilática são:
<>·<>·<>·<>·<>·<>·
Processo terminal do paciente
A palavra eutanásia tem sido utilizada de maneira confusa e ambígua, pois tem assumido diferentes significados.
Varias novas palavras como distanásia, ortotanásia, mistanásia, tem sido criadas para evitar esta situação.
O termo eutanásia vem do grego, podendo ser traduzido como "Boa Morte", "Morte Apropriada".
De maneira geral, entende-se por eutanásia quando uma pessoa causa deliberadamente a morte de outra que esta mais fraca, debilitada ou em sofrimento.
Neste ultimo caso, a eutanásia seria justificada como uma forma de evitar um sofrimento acarretado por um longo período de doença.
Distanásia: morte lenta, ansiosa e com muito sofrimento, ou seja, o antônimo de eutanásia.
Ortotanásia: é a atuação correta frente à morte. É a abordagem adequada diante de um paciente que está morrendo. È um termo amplamente adotado aos cuidados paliativos adequado aos  pacientes nos momentos finais de sua vida.
Mistanásia: também chamada de eutanásia social, Leonard Martin sugeriu o termo mistanásia para denominar a morte miserável, fora e antes da hora.
                 A maioria das vitimas da mistanásia são pessoas pobres, vítimas da exclusão social e econômica, desprovidas dos cuidados de saúde e morrem prematuramente.
 Fase Terminal
Identificada como a que antecede a morte, constitui num problema, num desafio a todos, mas em especial a enfermagem.
  Estágios da fase terminal
1.                      Negação: o paciente nega a realidade da doença "não, não pode ser verdade". "Será que não trocaram os exames?" São expressões típicas desta fase
2.                      Revolta: nesta fase o paciente admite estar com a doença terminal, mas pergunta "Por que eu?" "Porque isso está acontecendo justo comigo?”. Sua atitude passa a ser de raiva, sentimento de revolta contra a medicina, contra toda a equipe de saúde que o assiste, contra familiares e até mesmo contra DEUS.
3.                      Barganha: O paciente tenta superar o seu mal por meio de promessas "Se eu melhorar vou fazer muita caridade...". Aqui surgem as promessas de orações obras de caridade, peregrinação, em troca da saúde perdida. Nesta fase há uma tentativa de buscar apoio em forças extraterrenas.
4.                      Depressão: nesta altura do processo, percebe-se um grande desinteresse em receber visitas ou acompanhar fatos. Ha grande necessidade de isolamento e silencio que levam a pessoa para uma interiorização.
Aceitação: não é sinônimo de passividade pelo contrario é uma atitude ativa, tomada pelo doente que passou a ter uma compreensão de sua vida e sabe ter chegado o momento.
 Relatório de Home Care
Exemplo:
João na cama Idade 48 anos 
SVD
SNE
Ulcera de pressão
Evacuado
Janela trancada
A tia
A mãe
Cachorro no quintal
Casa suja
Enfisema pulmonar
O2 5l/min.
Cama normal
Porta estreita
Bairro isolado
Estrada de terra
Paciente com pele de seda
Família pouco estudo
Renda R$ 1.500,00 por mês
Aposentadoria R$ 575,00
Localização
Ambientação
Patologia
Cuidados
Relatório
Paciente Sr. João A.B.C,48anos,solteiro, residente em um bairro de periferia,não asfaltada, difícil acesso com meios de transporte,encontra-se acamado em decúbito dorsal em cama normal, uso de O2 5l/min. cateter tipo óculos, SNE instalada há 5 dias, SVD instalada há 5dias com identificação, ulcera em região sacra com presença de exudato e sanguinolenta,uso de fralda descartável no momento evacuado há 1 hora SIC* família, apresenta pouca hidratação corporal,pele de seda MMSS, a casa apresenta-se com pouca higiene, em toda a residência, batentes da porta em tamanho menor que o padrão, reside com a tia e com a mãe no qual referem pouco estudo (ensino fundamental incompleto),renda familiar de R$ 1.500,00 e aposentadoria do João R$ 575,00, observado casa com pouca iluminação, ventilação, dificuldade de locomoção com cadeira de rodas, mal cheiro no quintal devido a animal doméstico, familiares relatam patologia de base como enfisema pulmonar. Orientação: orientado familiares sobre a dificuldade de transporte até a residência,higienização da casa e utensílios a serem utilizados pelo paciente, mudança de cômodo do quarto para sala que é de fácil acesso, higienização do cateter de O2 e manutenção do mesmo, SNE com administração de alimento via frasco higienizado, o curativo da úlcera de pressão com medicação tópica prescrito pelo médico, higienização de SVD na região principalmente do prepúcio onde será utilizado água e sabão com esvaziamento da bolsa coletora de forma higiênica, higiene corporal quando necessário para evacuação e banho 1X ao dia, colocação de colchão casca de ovo ou ar,com lençóis esticados e limpos, mudanças de decúbito a cada 2h, hidratação corporal com massagem de conforto 2X ao dia, medicação prescrita no 5 certos da farmacologia, elevação da cabeceira, entre 30 e 40° com uso de travesseiros, uso da aposentadoria para seus cuidados e solicitado serviço social-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Assinatura da família ou digitais_________________________________________
Assinatura do Técnico em enfermagem____________________________________
* SIC= Segundo Informações Coletadas
Necessidade Psicoespirituais do paciente e da família no Home Care
Com a doença e a hospitalização domiciliar existe grande necessidade de ajustamento a mudanças no ambiente, estilo de vida e hábitos, perda de saúde do controle sobre si mesmo e sobre as coisas.
Além disso a doença e a hospitalização domiciliar provocam, tanto para o paciente quanto nos familiares, medo do desconhecido, questionamento a respeito da vida e da morte, perguntas a respeito de valores e sentimento da vida, possibilidade de continuar vivendo normalmente ou a durabilidade de enfrentar limitações inesperadas.
Dentro deste contexto de necessidade humana e emocionais que se experimenta como, uma crise, existe profunda necessidade de apoio.
Um tratamento médico sensível aos aspectos humanos e psicológicos é de fundamental importância. Importante é a utilização de elementos normais de apoio, tais como, família, amigos, recursos da comunidade.
Transfusão Sanguínea e convicção religiosa
Embora a prescrição sanguínea seja atribuição médica, sua aplicação, quando necessária, muitas vezes fica a cargo da enfermagem.
Neste momento, às vezes surge o impasse, pois há pacientes que recusam o sangue e pessoas que impedem a transfusão de sangue em seus filhos ou familiares, mesmo que disso sobrevenha a morte. Trata-se de um grupo religioso denominado Testemunha de Jeová, que considera a transfusão de sangue profundamente proibida pela Bíblia.
Para eles a proibição é bíblica, pois nela esta escrito que todos os cristãos devem "Se abster... do sangue".
Suicídio
Ação mediante a qual uma pessoa se inflige a morte, intencionalmente, por um ato ou pela omissão de alguma coisa que conserve a vida.
Exemplificando, alguém pode se matar tomando veneno,dando um tiro em órgãos vitais ou deixando de se alimentar-se.
Tais atos ou omissões devem ser intencionais, ou seja, fruto de uma ponderação, de uma decisão consciente, nunca feitos em estado de loucura ou algum arrebatamento incontrolável.
Conclusão: porque a vida é um dom dado ao homem por Deus e sujeito ao seu divino poder, que mata e faz viver.
                     Por tanto, quem priva a si mesmo da vida,peca contra Deus, porque cada parte é algo de um todo.
                     O homem é parte da comunidade, portanto pertence à sociedade.
                     Da-se ai a arte e a essência do cuidar em enfermagem tratando a religiosidade com respeito que cada um merece.

 

Fale Conosco

INFORMAÇÕES E ATENDIMENTO
Rua Bragança Paulista, 252/262  Vila Cruzeiro
Santo Amaro
Cep: 04727-000 - São Paulo - SP
(11)5641-3555/ 5641-3577/ 5642-1895

Localização

Curta nossa página